sexta-feira, 13 de setembro de 2013

Unhé!









     





Ensaio dos irmãozinhos Henrique e Lorenzo. Lorenzo chorou um pouquinho, mas com paciência e carinho, contornamos 
bem e conseguimos fazer lindas fotos.  O restante do ensaio está no final do post ;)



Então você está pensando em fazer o ensaio do(a) filhote, mas teme a reação e o comportamento da criança...
Sua cria está em uma fase difícil, arredia, fazendo "aqueles" shows quando contrariado(a), e é sempre complicado resolver, dependendo do local e motivação.
Existe o receio de que não consigamos realizar lindas fotos, que seja difícil e cansativo, ou pior: que seja impossível fazer!
Desde os primeiros anos da vida infantil é muito comum lidarmos com as birras. É uma reação natural da criança e cabe à nós observarmos em que situações isso acontece, como e porque, para que, como pais, possamos contornar bem essas situações, impondo limites e ensinamentos.
Eu convivo com esse mundo há mais de 15 anos.
Antes de ter meu filho, li pelo menos 35 livros sobre o universo infantil. E achava que sabia alguma coisa!
O nascimento do meu filho, me trouxe a consciência de que, mesmo tendo me esforçado tanto, qualquer conhecimento sem a prática é absolutamente irrelevante. E foi quando comecei a aprender de verdade...
Foi quando optei por trabalhar única e exclusivamente com crianças.
O ano em que me apaixonei perdidamente por esses olhares, por esses choros, por esses sorrisos sinceros.
Desde então, conheci (pausa para ir ali fazer a conta atualizada!) 106 mundinhos encantados, que tive a benção de conhecer!
Com o tempo, talvez nem tanto por necessidade, mas por curiosidade, comecei a conversar com pedagogos e psicólogos sobre algumas questões envolvendo comportamento infantil. Realizei estudos direcionados de modo que compreendesse melhor o que se passava em algumas situações.
Sabe aquela típica cena em shopping's? Dá arrepio só de escrever...
Outro dia ouvi uma colega de profissão me dizer...
"Os pais não têm controle... Têm medo dos próprios filhos!"
Concordam? Eu não... O que eu vejo são pais confusos sobre como tratar em público, em diversos locais diferentes, um assunto que em casa é resolvida de formas já bem definidas. É o cantinho da disciplina, o "1,2,3!", um bom papo sério, e infelizmente, em muitas situações, as palmadas, que já está mais do que comprovado que de nada resolve. Medo e respeito são conceitos absurdamente distantes e levam a resultados bem diferentes também ;)
Alguns pais têm medo do julgamento dos outros, vergonha de estarem chamando atenção... Enfim! Cada um vai sentir a sua maneira. Mas medo da criança, definitivamente não creio que seja a questão.
Pois bem! E na rua, como fazer? É difícil, né? Eu sei... Eu tenho um terrível em casa! rs
Em outro post vou falar sobre essas dicas que os psicopedagogos dão para acabar com essas cenas!
Mas hoje, vamos falar da possibilidade de ocorrerem durante os ensaios.
Então ai vão algumas dicas para preparar o terreno! Um dia REAL, lindo, divertido... E que eu estarei lá pra registrar esse momento delicinha da vida de vocês!

1- Preparando o terreno...

               À partir de 1 ano e meio, mais ou menos, eles já entendem bem. É bom que dias antes vocês brinquem com uma câmera juntos. Peça poses, sorrisos, mostre a fotografia que você tirou! Compre câmeras de brinquedo ( em região de comércio popular, como a 25 de março em São Paulo, existem algumas que custam R$ 5,00 e são mais que suficientes!), e tente propiciar uma experiência divertida, para que a criança não estranhe quando formos fotografar.
              O horário é super importante! Há crianças que estão melhor dispostas pela manhã, bem cedinho. Outras crianças são mais dorminhocas, e preferem brincar um pouquinho mais tarde. É fundamental levarmos isso em consideração, respeitando as sonecas sempre necessárias. Com soninho, nem a gente fica feliz, que dirá eles... rs!

2- Diga o que irá acontecer...

              Já no dia do ensaio, diga para a criança o que vai acontecer. Que virá uma convidada especial chamada Tia Coruja para fotografar os sorrisos e as brincadeiras! É uma boa (e modesta) forma de definir! rsrs. Esse preparo é importante! Estaremos inserindo a criança no contexto, criando uma expectativa gostosa. Um bom papo dentro do carro enquanto se direcionam ao parque escolhido, ou em casa, enquanto esperam pela fotógrafa. Nada de surpresas: a criança precisa sentir o que está acontecendo.

3- E os muito pequetitinhos?

             Com eles, o processo começa agora. Como são muito pequenos para entender, a ideia é que façamos algo que não seja absolutamente estranho ao cotidiano deles(as). Agir da mesma forma com os maiores, diminuí as chances de estranharem e se sentirem desconfortáveis.
             Faz parte da proposta da Tia Coruja Fotografia a abordagem natural, aproveitando o momento como ele é. Lógico que criamos algumas situações e podemos utilizar alguns suborn... Digo! Argumentos... (rsrsrs!) De modo que a criança se sinta mais motivada a brincar e a interagir com tudo que naquele momento podemos prover. Bexigas, chocolates, brinquedinhos... Um pedaço de galho, uma florzinha, uma careta! Não é tão difícil... É uma situação muito comum pra mim e a Tia Coruja vai preparada, desde o uniforme, até brinquedinhos, chocolate, tablet's ( com a Santa da Galinha Pintadinha!), bexigas, e muita vontade de brincar, correr, rolar no chão. O resto fica por minha conta ;)

Tudo começa quando você compreende como a criança pensa. Quando conseguimos enxergar as coisas da forma como elas enxergam. Quando podemos identificar o que elas valorizam e o que elas ignoram. Isso funciona com qualquer criança, de qualquer idade.
É experiência, disponibilidade, carinho e vontade.

Espero que tenham curtido o post, e que possamos estar todos juntos em breve.
Um beijo enorme e obrigada pela visita!

Luana Braga | Tia Coruja.




Nenhum comentário:

Postar um comentário