quarta-feira, 8 de junho de 2016

Com vocês, as Minhas Férias! :)

O que todo mundo sabe é que eu e minha família arrumamos meia dúzia de malas e nos mandamos para a Europa pra passar quase um mês de férias, no meio da crise mais punk que o Brasil já viu, bem durante o processo de Impeachment, e pior, em tempos de violentos atentados terrorístas na Europa.
Loucos, não? rs
O que ninguém sabe é que foi uma viagem sonhada durante anos e confirmada com 1 ano de antecedência.
Sabe aquilo da viagem começar durante o planejamento? A gente levou isso BEM a sério por aqui.
E foi tenso, porque essas incertezas mexiam bastante com a gente.
Alto investimento, muitos riscos envolvidos.
O que fizemos? O que a gente sempre faz diante de um desafio: a gente encara.
E lá fomos nós para a experiência mais incrível que tivemos na vida...

Foram 5 países e 11 cidades em 22 dias.
Muitos amigos em todos os cantos, o que foi fundamental para que tudo fosse perfeito do jeitinho que foi.
Tá! Perfeito nunca é! Mas a gente sabia que os perrengues vivariam história.
Falta de conexão em Amsterdã? Virou história.
Bate-boca com comissários da Ryanair? Virou história.
0º graus em Paris? História engraçada.
Se perder em Berlim sem saber UMA palavra em alemão? Num frio maluco?? História.
Ver o trem ir embora com as suas bagagens dentro? Tenso... Mas virou história também.
E história que vamos amar contar pra sempre.

Com vocês, Amsterdã, Bruxelas, Gent, Paris, Versailles, Leuven, Budapeste, Berlim, Bastogne, Hoegaarden, Bruges.

Principais perguntas que me chegaram até agora:

É tranquilo fazer uma mega trip com criança?
A gente esperou até que ele conseguisse se comunicar bem e que estivesse em uma idade que fosse lembrar da viagem. Interagir, participar, conversar com nativos foi uma experiência incrível pra ele. Miguel tem a facilidade de falar inglês fluentemente com 5 anos de idade, então foi bem fácil realmente. Levei algumas coisinhas que facilitaram bastante a nossa vida: uma caixa fechada com umas 30 caixinhas de suco Maguary ( não é fácil achar suco barato por lá e eu fiquei com receio de que ele não gostasse fácil das opções disponíveis em cada país). O problema é que a Ryanair, operadora que faz vôos domésticos na Europa ( sim, entre países da UE é considerado vôo doméstico!) não despacha malas e nelas não pode haver líquidos. Em uma dessa perdemos umas 5 caixinhas de suco! O resto deixamos no nosso ponto fixo, que foi em Bruxelas, na casa de uma amiga que nos recebeu durante todo esse tempo. Isso facilitou MUITO e foi fundamental para o planejamento da viagem. Outra coisa: podendo, leve carrinho! SALVA uma viagem :) No mais, não tivemos problemas com comida, água, ou qualquer coisa do gênero. E se for em temporada de frio, levem protetor labial e roupas PRÓPRIAS para um frio de verdade. Sair à noite? Não, porque a gente não aguentava rs! Nossos programas eram absolutamente diurnos. Acho importante dar uma desencanada de regrinhas de rotina, porque afinal de contas é uma experiência para todos os envolvidos, todos estão aprendendo e curtindo de muitas formas diferentes.

Qual cidade você gostou mais?
Depende. Curti cada cidade sob um aspecto diferente.
Em Amsterdã eu descobri o que é viver em um lugar perfeito! Descobri que a Holanda é o que o Rio quer ser quando crescer. Com muito frio, é verdade. Mas é uma cidade provocadora e livre como eu desenho na minha cabeça. Moraria lá MUITO fácil.
Bruxelas é moderna, centrão do mundo, você sai na rua e ouve pelo menos 3 línguas nativas diferentes. Isso que é metropole, meu amigo! É uma boa cidade para trabalhar e viver sob muitos aspectos. Mas para a minha experiência de viajante, o que colocou Bruxelas no topo foi a facilidade da língua, porque fora da Belgica a gente não entendia nada x nada! rsrs
Gent é uma fofura só! Eu teria um comércio lá... É bem turística, gostosa de olhar porque toda esquina parece ter saído de um filme sobre a era Medieval. E os pubs? Mil cervejas diferentes, um clima universitário gostoso... Sei lá! Eu acho que teria um pub por lá!
Paris é Paris. Mas não é a Paris que tinha desenhada da minha cabeça. Os metrôs de São Paulo dão um banho nos metros de lá, e em geral, o transporte é sujo e mal conservado. Se você não fala francês, boa sorte! rs Tem que ter paciência porque - não é regra - franceses, assim como alemães, não se vêem na obrigação de falar outra língua só porque o resto do mundo fala. Eles estão acima disso, compreendem? rsrs O mundo precisa da França e de Berlim. Então a gente que se vire, ok? No mais, perfeita... O Louvre é incrível mesmo e a Torre é um sonho!
Fomos ao Palácio de Versailles somente e não deu tempo de passear pela cidade. Mas o Palácio foi um dos melhores passeios que fizemos. Era meu aniversário e tomei vinho durante todo o dia! Os jardins dão uma hipnotizada. Fiquei imaginando aquele lugar no verão... Eu nunca mais iria sair de lá. Teriam que me tirar arrastada!
Budapeste? SURPREENDENTE! Só isso, tá? A luz mais incrível que já vi na minha vida... Um céu, o jeito que a luz bate do Parlamento... Olha, se húngaro não fosse a língua mais punk de se falar, eu também moraria lá. Mas eu duvido que eles se entendam! rsrs É MUITO louco vê-los falando... E a experiência ficou ainda mais completa por culpa do Gellèrt, o hotel mais trandicional da cidade. No nosso primeiro dia fomos jantar no hotel do mesmo jeito que tínhamos chegado. Chegamos lá e eu me senti saído de Madureira e entrando no Copacabana Palace, compreende? Estava de moletom, tênis, descabelada... E sabe o que tinha lá? Um trio de requinte tocando musicais tradicionais húngaras! Eles vieram até à nós e perguntaram se a gente queria ouvir alguma música em especial... De surpresa assim só nos ocorreu a música mais famosa que conhecemos, "If I were a rich man" do filme The Fiddler on the roof, que nem húngaro é! Mas tinha violino, e já era alguma coisa! E os caras tocaram. MUITO. E eu gravei. E fico escutando sozinha até agora. Ah, e o spa do hotel... Foi um dia inteiro que eu não vou esquecer nunca mais na minha vida! rsrs No geral, Budapeste foi a experiência mais top que tivemos durante a viagem. Não estava frio e a cidade é incrível também. O câmbio também ajuda muito, viu? Então voltaremos fácil!
Berlim é cheia de história... É uma cidadezona, mas não é tão centro do mundo como Bruxelas. Mas o mais legal foi que ficamos na casa de amigos e conseguimos viver como alemães durante alguns dias. Miguel fez amigos e até foi à uma festa de aniversário! Os museus são incríveis... Ir ao Museu de História de Berlim foi marcante! Mas sem dúvidas o maior legado de Berlim foram os sorrisos dos amigos. Foi maravilhoso...
Leuven e Hoedaarden são cidades fofas próximas à Bruxelas. Amei Leuven, que é uma cidade universitária... Fiquei pensando que eu poderia ter estudado por lá. Nada mal... Pubs, pubs, pubs... E aquele visual incrível. Fora as cervejarias... Hoegaarden tem uma cerveja pra chamar de sua! E não é igual a que vende aqui no Brasil, tá? Nem tenta... rsrs Lindas cidades, moraria fácil, mas não sei realmente o que eu faria com tanto frio! :/
Bastogne foi um passeio rico demais. Ir ao Museu é voltar no tempo e sentir um pouco do que foi a guerra naquele lugar. As marcas são visíveis... Só que é beeeeem afastado de Bruxelas. Apesar de ser uma gracinha, eu já acho meio contra-mão. Mas pra visitar o Museu vale muito à pena pegar as 2 horas de estrada e curtir o dia.
Bruges é uma pintura. E como fomos em pleno feriado, estava lotada! Tinha evento na cidade e foi bem legal ver os moradores da cidade fantasiados nos desfiles! Uma viagem no tempo! Quero voltar pra conhecer todos aqueles pubs!!! São fofos!

Me marcou:
- Um galho que Miguel achou em Gent e ele levou para o restante da viagem inteira dizendo que era a sua espada. A gente tinha que olhar para os policiais nas alfandegas como cachorrinhos que cairam da mudança, sabem como? Era a espada da vida do Miguel naquele momento. E veio para o Brasil, onde nosso cachorro Joey teve oportunidade de comer um pedaço. Guardei o que sobrou! Aparece em várias fotos.
- Andar de carrossel com o meu filho em Paris.
- Meu aniversário em Versailles.
- Jantar em Budapeste.
- Spa em Budapeste.
- A luz de ouro iluminando no Parlamento Húngaro.
- Sentar 2 horas na frente da Torre Eiffel.
- Conhecer o Código de Hamurabi no Louvre.
- Conhecer detalhes sobre o holocasto nos museus e ver as marcas nas cidades de Berlim e Budapeste.
- Renovar meus votos de casamento no museu mais lindo que já entrei na vida.
- Fiz feijoadas em Berlim e Bruxelas. Ficaram di-vi-nas!

Mas voltar pra casa também é maravilhoso, viu?
Sempre falo para as minhas clientes e agora está acontecendo comigo...
Minhas memórias, pra sempre! :)
Um pouquinho das minhas memórias pra vocês, que dividem tantas coisas especiais comigo...

Beijo grande,
Luana Braga.
TCF.












































































Nenhum comentário:

Postar um comentário